MPPB e FGV firmam parceria para aprimorar qualidade do gasto público

O trabalho de enfrentamento à corrupção e ao crime organizado desenvolvido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) vem chamando a atenção de outras instituições ministeriais e de pesquisadores, em todo o país. Na tarde desta segunda-feira (16), a coordenação do Núcleo de Gestão do Conhecimento do MPPB recebeu a visita do pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Rafael Braem Velasco, para discutir parcerias visando à análise sobre a qualidade dos gastos públicos de prefeituras paraibanas.


Velasco desenvolve estudos sobre compras governamentais e qualidade do gasto público. Sua pesquisa intitulada “Data Analytics e Compras Públicas – Promovendo a Eficiência da Administração Pública por Meio da Análise de Dados” foi premiada, em dezembro de 2017, pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), devido ao grande potencial para a promoção da integridade pública do país, passando a integrar o banco de “Projetos do Programa Nacional de Prevenção Primária à Corrupção”.


Segundo o pesquisador, a visita ao MPPB teve como objetivos conhecer de perto as metodologias desenvolvidas pela equipe do Gaeco que permitem a otimização da detecção de casos de corrupção nos gastos públicos municipal e estadual e definir os próximos passos da parceria já celebrada com a instituição no âmbito do projeto “Data Analytics e Compras Públicas”. “O Gaeco do Ministério Público da Paraíba figura no estágio de maior maturidade para a análise de grande volume de dados dentro do MP brasileiro. É a equipe que tem, certamente, a mais robusta capacidade de análise de grande volume de dados do gasto público. O trabalho que vem sendo desenvolvido é de elevada importância para o país e certamente será replicado por outros Ministérios Públicos ao redor do Brasil”, disse o pesquisador.


Na avaliação de Velasco, o êxito do trabalho do MPPB se deve à alta capacidade de entrega da equipe do Gaeco, que combina conhecimentos provenientes de várias áreas, como a ciência de dados, o direito e a administração. Outros fatores que explicam o êxito do Gaeco são as parcerias celebradas com órgãos de controle - como a Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas da União e do Estado e Receita Estadual, por exemplo – e com universidades. “Isso permite o compartilhamento de conhecimento, de metodologias e de acesso a diversas bases de dados dotadas de alto valor estratégico, que permitem o refinamento das metodologias de análises de dados aplicadas à seara de combate à corrupção. Além da parceria com as universidades, que maximiza e acelera o desenvolvimento dos modelos de análise de dados”, explicou.