Promotorias de Patos e CG se engajam na campanha pelo fim da violência contra a mulher

As Promotorias de Justiça de Patos e de Campina Grande se engajaram na campanha do 'Laço Branco', lançada esta semana pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), em alusão aos '16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres', uma mobilização internacional de combate à violência contra mulheres e meninas, que acontece todos os anos, entre 25 de novembro e 10 de dezembro,

A campanha foi idealizada pelo Núcleo de Políticas Públicas do MPPB, que tem como coordenador o procurador de Justiça Valberto Lira, com o apoio de promotores de Justiça que atuam na área de Violência Doméstica contra a Mulher, Rosane Araújo e Dulcerita Alves, e da Promotoria da Saúde, Jovana Tabosa, além da equipe da assessoria de comunicação da instituição. A iniciativa recebeu o apoio do Centro Operacional às Promotorias Cíveis e da Família, coordenada pela promotora Elaine Cristina Alencar.

A campanha é composta por um banner com o desenho de um laço branco para coletar assinaturas de homens que apoiam a causa e por peças para as redes sociais do MPPB que versam sobre problemas graves que atingem o público feminino, como feminicídio, violência sexual, erotização na infância e transmissão do HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis pelos parceiros, por exemplo.

O caminho do laço

Na capital, o 'Laço Branco' foi inaugurado no dia 26, durante a sessão do Colégio de Procuradores de Justiça, e recebeu a assinatura de todos os membros do órgão. Ele já percorreu o fórum de Mangabeira, onde foi realizado o mutirão para julgar processos de violência doméstica; a sede do Ministério Público Federal e vai ser exposto em eventos do MPPB, no auditório da PGJ. Até o dia 10, o banner vai ser levado ao TRT e também ao Busto de Tamandaré, na 'Corrida do Bem', do Hospital Napoleão Laureano.

Em Campina Grande, a campanha também foi lançada no dia 26, pelas promotoras de Justiça Adriana Amorim e Jamille Lemos Cavalcanti. Além do MPPB, outras instituições como a Vara da Violência Doméstica, o Fórum Afonso Campos, a Delegacia da Mulher e a sede do MPF estão recebendo até o dia 10 o banner para coleta de assinaturas.

Já em Patos, o cronograma e itinerário do 'Laço Branco' foram definidos na audiência de lançamento da campanha. O evento foi realizado pelo promotor Glauco Coutinho Nóbrega e contou com a participação do promotor de Justiça Elmar Thiago Pereira de Alencar, responsável pelo projeto 'Refletir', em Patos.

Ficou definido que até o dia 10 de dezembro, o banner será levado ao Centro de Referência de Atendimento à Mulher- (Cram), à Secretaria Executiva de Políticas para Mulheres, ao Centro de Referência em Assistência Social (Creas), à Delegacia Especializada da Mulher, à Superintendência da Polícia Civil, à Maternidade Peregrino Filho, à Câmara de Vereadores de Patos, à Oficina do Grupo Reflexivo, às universidades e movimentos sociais que militam na área de Direitos Humanos – entre eles o Movimento de Mulheres Olga Benário e ABENAL.

Outro assunto apresentado na audiência foi a execução do projeto 'Refletir' na Promotoria de Patos. O projeto voltado a homens que respondem a processos de violência doméstica enquadrados na 'Lei Maria da Penha está sob a coordenação do promotor Elmar Thiago. A iniciativa tem como objetivo sensibilizar esse público, através de oficinas, sobre os prejuízos do machismo para promover a mudança mentalidade e de comportamento, adequando-os à cultura do respeito à mulher e à igualdade de gênero.

'Laço Branco'

A campanha do 'Laço Branco' é uma campanha mundial que surgiu em 1989, após a intolerância às mulheres provocar uma tragédia em uma universidade de Montreal, no Canadá. Inconformado com a presença de mulheres cursando engenharia, um homem armado entrou na universidade e atirou em 14 mulheres. O caso chocou o mundo e fortaleceu o debate sobre a desigualdade de gênero e a violência contra a mulher.