Florescer Mulheres: iniciado novo grupo operativo para vítimas de violência doméstica

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) iniciou, esta semana, o quinto grupo operativo para vítimas de violência doméstica, dentro do projeto Florescer Mulheres. A iniciativa é gerida pelo Centro de Apoio às Promotorias da Cidadania e executado pelas promotorias da Mulher de João Pessoa e Campina Grande. Neste grupo nove mulheres participarão de quatro oficinas, realizadas em parceria com o Centro Universitário de João Pessoa (Unipê) que lhes servirão de norte para quebrar o ciclo da violência e refazerem suas vidas.

A abertura das oficinas foi feita, na última quinta-feira (06/09), pela coordenadora do CAO da Cidadania, Liana Espínola Pereira de Carvalho; pela facilitadora do grupo, a professora do Unipê, Leda Maia, e a presidente da Associação das Esposas dos Magistrados e Magistradas da Paraíba (Aemp-PB), Solange Guedes da França. Elas deram as boas-vindas às mulheres, explicando como funciona o projeto que é executado pelas promotoras de Justiça Dulcerita Alves, em João Pessoa, e Juliana Salmito, em Mamanguape. Esta turma iniciada é formada por moradoras da Capital.

Além de participar das oficinas que ocorrerão uma vez por semana, com previsão de término no próximo dia 26, as mulheres que estão desempregadas ou querem mudar de ofício terão a possibilidade de serem encaminhadas a cursos profissionalizantes. A Aemp está disponibilizando três capacitações: design de sobrancelhas, preparo de doces e salgados e técnicas de serviço de garçom.

De acordo com a gestora e executora do Florescer na Capital, a promotora Dulcerita Alves, outras parcerias estão sendo buscadas para somar ao atendimento psicológico e jurídico que as mulheres recebem no projeto iniciativas que possibilitem vítimas de violência a ingressarem no mercado de trabalho, levando em consideração que a dependência financeira é um dos obstáculos encontrados pelas mulheres para romper o ciclo da violência doméstica. Empresas e instituições que estiverem sensíveis a essa demanda, podem procurar o Ministério Público para que seja estudada a viabilidade da parceria.

 

O que é?

Os grupos operativos com mulheres do Projeto Florescer são destinados a pessoas em situação de violência (com possibilidade de escutas individuais), cujos agressores estejam ou não respondendo a inquéritos policiais, a processos judiciais ou cumprindo alguma medida de proteção às vítimas. O objetivo é despertar para a reflexão sobre a não aceitação de relacionamentos abusivos.

Para saber mais sobre o serviço, as mulheres devem se dirigir ao CAO Cidadania e Direitos Fundamentais, que funciona na Avenida Almirante Barroso, 162, Centro de João Pessoa, de segunda à quinta-feira, das 12h às 18h, e na sexta-feira, das 7h às 13h, Informações também podem ser solicitadas através do telefone (83) 3221-1500 ou do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..