Nesta quinta-feira: MPPB promove transmissão ao vivo sobre violência contra mulheres

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) vai promover, na próxima quinta-feira (02/07), às 19h, a sua primeira transmissão ao vivo em rede social (live). Com o tema “Conectadas contra a violência doméstica”, a promotora de Justiça, Dulcerita Alves, que atua na defesa da mulher vítima de violência doméstica e familiar em João Pessoa, e a empresária Luiza Brunet, que se tornou uma ativista pelos direitos das mulheres, vão discutir o fenômeno da violência contra a mulher, durante a pandemia da covid-19. O evento é aberto ao público e será exibido no Instagram, pelos perfis @mppboficial e @luizabrunetoficial.

Segundo a promotora de Justiça Dulcerita Alves, que também integra o Grupo de Trabalho do CNMP sobre gênero, direitos LGBT e laicidade, ela e Luiza Brunet foram convidadas pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para uma missão na Espanha, onde elas puderam conhecer experiências desenvolvidas pelo país europeu para enfrentar a violência doméstica. “Lá, vimos muitas propostas interessantes sobre como apoiar mulheres vítimas desse tipo de violência. Com a pandemia, eu e Luiza sempre trocávamos ideias de como ajudar as mulheres, nossa visão do que estava acontecendo no mundo e como poderíamos contribuir de alguma forma no enfrentamento à violência doméstica num momento de distanciamento social”, disse.

A representante do MPPB lembrou do alerta internacional, dado pela Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o provável aumento de casos de violência doméstica durante o isolamento social e da subnotificação desse problema. “Daí, surgiu a necessidade de dar voz ao invisível fenômeno da violência doméstica que tanto nos afligia, assim, tivemos a ideia da live, que fosse de linguagem acessível e que atingisse o máximo de mulheres para que elas possam conhecer os mecanismos para pedir socorro, não só aqui na Paraíba, onde moro; no Rio de Janeiro, onde Luiza mora, mas em todo Brasil, já que sabemos que o ativismo de Luiza a faz em contato com mulheres do Brasil e do mundo todo”, explicou.

A modelo, atriz e empresária também falou da importância dessa iniciativa. “Já vínhamos conversando sobre o tema de fazermos uma live juntas, até porque só vejo vantagens em nos unirmos nesse enfrentamento da violência doméstica. É benéfico para todos, ganha a sociedade, ganham as vítimas que têm conhecimento dos instrumentos acessíveis e dos canais para pedir ajuda. A sociedade civil tem que andar de mãos dadas com o Ministério Público”, defendeu.