Mostra: 'É incluindo que se aprende' está entre os projetos inovadores do MP brasileiro

O projeto estratégico 'É incluindo que se aprende', executado pelo Ministério Público da Paraíba, foi apresentando na 'I Mostra de Projetos do Ministério Público Brasileiro', como um dos projetos considerados inovadores e bem-sucedidos pela Comissão de Planejamento Estratégico (CPE) do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O projeto impactou cerca de 4 mil estudantes matriculados em escolas de 42 municípios paraibanos. O evento aconteceu na sede do MP baiano, em Salvador, no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

O promotor de Justiça e gestor do projeto do MPPB, Leonardo Quintans, apresentou a ideia aos membros do MP brasileiro, na última quarta-feira (4), explicando como a iniciativa foi colocada em prática em promotorias e deu bons resultados, fomentando o acesso à educação pública de qualidade às crianças e adolescentes com deficiência. Através de ações ministeriais, os gestores municipais foram incentivados a criar e ampliar salas de atendimento educacional especializado, com o pessoal e os equipamentos necessários para garantir um aprendizado inclusivo completo e efetivo aos estudantes.

"O projeto foi muito bem recebido pelos colegas, durante o evento, despertando o interesse de membros do MP de vários Estados, que pretendem replicar as ações. O projeto foi considerado inovador por ser pouco explorado de forma coletiva e por ter apresentado resultados rápidos e positivos. As visitas realizadas in loco nas salas de AEE e os relatórios emitidos pela equipe técnica do CAO da Educação foram essenciais para que os promotores pudessem cobrar dos municípios a regularização das ações", ressaltou Leonardo Quintans.

Troca de experiências

O promotor foi acompanhado pela servidora Inez Cândido Leite, do Departamento de Projetos da Secretaria de Planejamento e Gestão, que também é coordenadora do grupo de trabalho de Projetos do CNMP. “Foi um momento excelente para a troca de experiências com outros Mps, conhecendo iniciativas que deram certo e que são passíveis de replicabilidade em outras unidades”, avaliou.

Na abertura da mostra, a procuradora-geral de Justiça do MP da Bahia, Ediene Lousado, destacou a importância do evento. “O que nos mostra para a sociedade não é mais a tribuna do júri. Tem feito a diferença a atuação do MP por meio de projetos que valorizam a interatividade, com método, metas e planejamento, com resultados em Direitos Humanos, Meio Ambiente, Criminal, em todas as áreas de atuação. Boas práticas são sempre bem-vindas para compartilharmos aprendizados. Precisamos economizar tempo e dinheiro na prestação de serviço à sociedade”, afirmou.


Com informações da Ascom/MP/BA e foto de Guilherme Weber / Rodtag Fotografias