Promotoria consegue solução para problemas de mobilidade no entorno de escola, na Capital

Um inquérito civil público instaurado pela Promotoria do Patrimônio Social de João Pessoa garantiu a solução para o problema de mobilidade urbana do entorno do Colégio Motiva Ambiental, no bairro de Tambaú.

Segundo o promotor de Justiça João Geraldo Barbosa, o inquérito foi instaurado para apurar reclamação de transtornos causados na Avenida Helena Lima nos horários de maior movimentação e circulação de pessoas que se utilizam dos serviços educacionais da unidade.

Em audiência realizada em setembro de 2017, a Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob) se comprometeu a instalar uma câmera giratória de monitoramento do cruzamento da avenida Helena Meira Lima com a rua Silvino Lopes. Também ficou que apresentar laudo técnico sobre o congestionamento do trânsito no entorno do colégio.

O Colégio Motiva também se comprometeu a efetivar modificações nas destinações de saída e entrada do estabelecimento no horário entre 11h15 e 13h30, como medida para amenizar o congestionamento na região. Posteriormente, foi encaminhado o laudo de vistoria técnica do local realizada pela Semob.

Outra audiência foi realizada em dezembro do ano passado, quando foi determinada uma vistoria por parte do engenheiro do MPPB, Caio Sampaio. Na vistoria foi constatado que foram instaladas duas plataformas de embarque e desembarque para alunos, pais e funcionários na Rua Silvino Lopes e Monteiro Lobato; foi ampliado o acesso, sem obstáculos aos passeios públicos no entorno da escola; foi construído um estacionamento para os usuários. O laudo concluiu que as modificações resultaram no fluxo contínuo de automóveis com poucas interrupções.

O autor da reclamação, jornalista Cândido Nóbrega, reconheceu o trabalho realizado pelo MP. “Faço minhas palavras de gratidão e reconhecimento ao trabalho profícuo desenvolvido pelo promotor de justiça não só a frente desse caso mas muitas outras ações que muito honram e dignificam o Ministério Público”, disse.

O promotor informou que, pelos fatos verificados, o problema de mobilidade no local foi solucionado, determinando então o arquivamento do inquérito e encaminhamento para o Conselho Superior do Ministério Público.