Ministério Público da Paraíba realiza workshop sobre segurança institucional e autoproteção

O Ministério Público da Paraíba promoveu, nesta sexta-feira (27/05), um workshop sobre segurança institucional e autoproteção. O evento foi realizado de forma híbrida e teve a participação de membros e servidores da instituição e de outras unidades do MP brasileiro. O workshop foi organizado pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf/MPPB). 

O evento foi aberto pelo procurador-geral de Justiça, Antônio Hortêncio Rocha Neto, que destacou a importância do tema do workshop e informou que foi um encaminhamento do Comitê de Segurança Institucional. Ele também parabenizou os que participaram da organização e reforçou que a gestão vai continuar aprimorando a segurança institucional e todas as demais áreas do MPPB.

O corregedor-geral do MPPB, Alvaro Gadelha Campos, parabenizou o Ceaf pela organização do evento e também aos palestrantes. Também ressaltou a importância da temática do workshop em razão do momento de dificuldade pelo qual passa a sociedade.

O diretor do Ceaf, procurador Herbert Targino, agradeceu o apoio e comprometimento da gestão do MP e todos os participantes e equipe organizadora. Conforme o diretor, o tema da segurança conclama a todos a fazer uma reflexão, a ter um olhar polissêmico, especialmente no momento de síndrome de violência vivido pela sociedade que leva a medos difusos. 

 

Palestras

Os palestrantes do workshop foram o 1° comandante do Grupamento de Ações Táticas Especiais (Gate), Coronel Onivan Elias de Oliveira, que também é doutor em Ciências Políticas de Segurança e Ordem Pública; o assessor militar do Tribunal de Justiça da Paraíba, Major Álvaro Cavalcante Filho, especialista em segurança pública e o integrante do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco/MPPB), Valdomiro Bandeira de Sousa Neto, bacharel em Ciências Jurídicas.

Conforme os palestrantes, o objetivo do evento foi refletir sobre a segurança dos integrantes do MPPB em três níveis: pessoal, institucional e digital, contextualizando-os com o cenário nacional com ênfase na sobrevivência da vítima.

Foram apresentados conteúdos como a preservação do ativo humano ministerial, ações preventivas no ambiente das redes sociais, a cultura de segurança institucional e a adoção de boas práticas de segurança institucional com a finalidade de estimular a reflexão dos participantes.