MP e Unipê promovem curso sobre grupo reflexivo para homens em situação de violência doméstica

Promotores interessados devem indicar até o próximo dia 25 as pessoas da rede de proteção à mulher dos municípios em que atuam para participarem do evento

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) vai promover, em parceria com o Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), um curso online de capacitação em grupos reflexivos para homens em situação de violência doméstica. O evento acontecerá no próximo dia 31 de março. Ele é destinado a pessoas que integram a rede de proteção da mulher nos municípios que forem indicadas pelos respectivos promotores de Justiça para atuarem, posteriormente, como agentes facilitadores do projeto “Refletir”, voltado a homens envolvidos no contexto de violência doméstica contra a mulher, com o objetivo de romper com o ciclo de agressões por meio da mudança de mentalidade e comportamento.

O Centro de Apoio Operacional em matéria de cidadania e direitos fundamentais (CAO Cidadania) - gestor do Projeto Refletir - explica que, os promotores de Justiça interessados em ofertar a capacitação para a rede de proteção da mulher dos municípios em que atuam deverão enviar, até o próximo dia 25, e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O CAO alerta que as vagas são limitadas e que, caso a procura seja superior à oferta, será realizado sorteio para definir os participantes.

A capacitação

A capacitação será ministrada pela professora do curso de Psicologia do Unipê, Leda Maia, parceira do MPPB nos projetos de enfrentamento à violência contra a mulher “Refletir” e “Florescer Mulher”. A capacitação será das 9h às 11h. Nela, os facilitadores conhecerão o passo a passo de como trabalhar com os homens em situação de violência. O objetivo é possibilitar a esse público o processo de “reflexão responsabilizante” para estimular o rompimento do ciclo de agressões e a construção de relações mais cooperativas e solidárias, com as parceiras atuais ou futuras, a partir do reconhecimento da violência praticada.

Conforme explicou a promotora de Justiça Dulcerita Alves, gestora do projeto, a iniciativa surgiu da grande demanda de promotores de Justiça por capacitação da rede de proteção às mulheres nos municípios em que atuam.

Segundo ela, após a capacitação, o membro do MPPB poderá selecionar os homens aptos a participarem dos grupos reflexivos. “O curso será importante porque sabe-se que o fenômeno da violência doméstica é cíclico e que a violência doméstica e o feminicídio são violências evitáveis. Capacitar a rede de proteção fará com que mais pessoas sejam multiplicadoras da prevenção da violência contra a mulher”, explicou.