Núcleo de Gênero do MPPB apoia live sobre os impactos da violência de gênero na saúde de mulheres

O Núcleo de Gênero do Ministério Público da Paraíba (MPPB) está apoiando a transmissão online que será realizada nesta quarta-feira (11/08), às 20h, pela promotora de Justiça do MPPB, Dulcerita Alves, e pelo médico e professor universitário, Eduardo Moura, sobre o tema: “Violência contra mulher e impactos na saúde”.

Dulcerita Alves atua no enfrentamento da violência doméstica na Promotoria de Justiça de João Pessoa, é membra colaboradora do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e gestora de dos projetos “Refletir” (que tem como público-alvo homens envolvidos no contexto de violência doméstica e cujo o objetivo é trabalhar conteúdos para sensibilizá-los sobre o problema da violência contra a mulher, visando à mudança de comportamento) e “Florescer Mulher” (destinado a mulheres que vivem esse tipo de violência para oportunizar a elas apoio psicológico para que rompam esse ciclo).

Ela explicou que a transmissão online tem como objetivo aproveitar o mês de agosto - quando se comemora o aniversário da Lei Maria da Penha (que no último dia 7 completou 15 anos de vigência) - para propor à população um debate e uma reflexão sobre o fenômeno da violência contra a mulher e como isso impacta na saúde e no adoecimento feminino. “Embora a violência contra a mulher tenha crescido no período pandêmico, foram muitos os avanços no combate aos delitos contra a mulher, tais como a Lei de Stalking (perseguição), a recente lei de violência política e a importante lei sobre a violência psicológica que, essa sim, traz reflexos diretos no adoecimento das mulheres. A live pretende abordar temas interessantes, que envolvem Direito e Medicina neste mês de comemorações do aniversário da Lei Maria da Penha”, disse Dulcerita.

Eduardo Moura, que é professor de Ginecologia e Mastologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Famene, ressaltou que vários tipos de violência sofridas pela mulher trazem repercussões significativas à saúde delas e de seus familiares. “Esse é um tema extremamente importante e não poderia deixar de ser discutido. Meu papel de médico, professor e acima de tudo cidadão me impulsiona a abordar esse assunto, de forma clara, objetiva, sem tabus e dessa forma a levar informações para quem acredita estar sozinha nesse momento! As mulheres precisam saber que não estão sozinhas”, destacou.

A live será transmitida pelo Instagram @alvesdulcerita e do @dr.ehmoura.