Sobrepreço em compras públicas: MPPB propõe desafio em workshop de soluções matemáticas 

O Ministério Público da Paraíba está participando do 7º Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, organizado por órgãos ligados ao Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC/USP).  O projeto apresentado pelo MPPB relacionado ao superfaturamento das vendas realizadas por pessoas físicas e jurídicas em contratos firmados com a administração pública foi um dos seis escolhidos, dentre 14 indicados, para o desafio realizado durante o evento, que é encontrar soluções matemáticas para problemas concretos de empresas e instituições.

O workshop começou nesta segunda-feira (06/09) e a programação se estende durante toda a semana. A participação do MPPB está sendo feita por meio do Núcleo de Inovação, vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), que buscou as possibilidades para a inclusão de sua equipe no evento sem custos à instituição, e do Centro de Apoio Operacional do Patrimônio Público, que apresentou o projeto para o desafio. 

O evento - organizado pelos centros de Projetos e Inovação (IMPA) e de Pesquisa, Inovação e Difusão de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (Cepid-Cemeai) - conta com pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação nas áreas de matemática, estatística e computação, e gestores e pesquisadores de empresas, principalmente das áreas de energia, tecnologia e serviços.

O problema

O problema proposto pelo MPPB será analisado e explorado por um time de acadêmicos e profissionais durante o período do workshop. A apresentação foi feita na manhã deste primeiro dia pelo coordenador do CAO do Patrimônio Público, o promotor de Justiça Reynaldo Serpa. Ele mostrou como o problema de sobrepreço de produtos adquiridos por gestores públicos tem demandado uma atuação do MPPB, citando a dificuldade de identificar os sobrepreços nas notas fiscais no momento de acontecimento, pois é necessário processar, limpar, organizar e analisar a massa de dados. 

A intenção do MPPB é que, com a ajuda dos pesquisadores e desenvolvedores, durante o evento se encontrem caminhos para tornar esse tratamento de dados mais fácil, dando mais celeridade e eficiência ao trabalho de investigação dos promotores de Justiça que atuam na área. 

Além do promotor de Justiça Reynaldo Serpa, participam do evento a equipe da Seplag, composta pelos servidores Ícaro Ramalho Dionísio, chefe de Departamento de Gestão Estratégica e Projetos, e pelas assessoras do Núcleo de Inovação, Raisa Fernandes de Melo  e Talita Lôbo de Menezes. A equipe tem recebido orientação do professor Krerley Oliveira, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).